Muitos veículos de comunicação impressos deixaram de existir nos últimos anos – jornais e revistas que viveram seu auge e depois deram lugar a publicações online. Assim como na comunicação, com os novos perfis de consumidores adotando hábitos cada vez mais digitais, levantamentos apontam para um declínio do ciclo de vida de meios impressos para se fazer a cobrança de um cliente.

Por outro lado, apesar de termos no cenário uma enorme oferta de canais e alternativas, entra ano, sai ano e o E-mail continua firme resistindo a todas as especulações sobre o que o futuro lhe reserva quando se trata de fazer a comunicação e o relacionamento com o seu público alvo.

Substituto natural do correio tradicional, o e-mail surgiu em 1965 através da troca de mensagens entre usuários de computadores. Apesar de possuir mais de meio século de existência, ainda é um dos canais mais usados no mercado de cobrança.

Durante muito tempo, o e-mail foi visto como sinônimo de spam e comunicação ineficiente. Mas graças ao aprimoramento de ferramentas de automação, esse canal se tornou uma excelente opção para se enviar a mensagem certa para as pessoas certas, no momento certo. Hoje é visto como um canal altamente democrático: segundo pesquisas, 92% dos adultos online utilizam e-mail.

Com baixo custo e amplo alcance, o e-mail possui diferenciais em relação a outros recursos, como a profundidade de comunicação. Podendo oferecer mais atrativos, o e-mail permite utilizar opções visuais para conquistar o cliente, anexar conteúdos, vídeos interativos de cobrança, links para boletos e ainda direcionar o usuário para portais de pagamento. Tudo isso acaba por gerar mais conversão em campanhas, tornando o e-mail um canal eficaz para atingir um público alvo específico, principalmente no mercado de cobrança.