Vivemos a era da informação, numa sociedade que valoriza o conhecimento e o consumo de conteúdo a todo momento, sem parar. E a forma como essa informação é consumida e trafega afeta o comportamento e as relações entre as pessoas, influenciando toda uma cadeia e impactando marcas e organizações.

Novas oportunidades de negócios trazem consigo armadilhas, que por conta da tecnologia e seus avanços vestem roupagem nova. Nos últimos 5 anos, o número de vazamentos e incidentes relacionados à segurança da informação aumentou consideravelmente.

Esses incidentes prejudicam os proprietários dos dados e também comprometem a imagem da empresa, que pode perder valor de mercado e passar a ser vista como não confiável porque não possui as melhores práticas quando se trata de proteção de dados. Um levantamento da Poor Internal Security Pratices Take a Toll, de 2017, aponta que 60% das empresas que sofrem algum tipo de vazamento têm suas atividades e funcionamento severamente debilitados.

Aprovada pelo Congresso em agosto passado e prevista para entrar em vigor em 2020, a Lei Geral de Proteção de Dados (Lei 13.709/2018) vai ajudar as empresas a criarem rotinas de prevenção e solução de problemas envolvendo privacidade e proteção de dados.

Para o CEO da PGMais, Paulo Gastão este é o momento de se aprofundar no tema para entender todas as mudanças que vêm pela frente. “Aqui na PG já estamos nos planejando com base nessas mudanças, confiantes nos impactos positivos que elas trarão ao mercado. Posso garantir que continuaremos a trabalhar em conformidade com a lei e pretendemos ir além, influenciando positivamente o cenário futuro quando o assunto é tratamento de dados”, afirma Paulo.

O advogado e especialista em direito digital e proteção de dados, Márcio Chaves, durante palestra promovida pela PGMais, explicou que se toda a cadeia é afetada, é preciso garantir que todos que façam parte do ciclo de vida do dado pessoal atuem em conformidade com a legislação. E para isso, o primeiro passo é estar bem informado e preparado. “O dado é o novo petróleo. Este dado precisa ser bem cuidado para evitar o risco de que um vazamento contamine a sua operação, para evitar que esse ‘petróleo’ contamine o seu terreno, deixando o seu solo minado”, afirma Chaves.

Sua empresa já está atenta a esse movimento? A PGMais Já!